11/09/2016

PALAVRAS DO ENTARDECER de glauciasemfalas

CANÇÃO DO MEU ENTARDECER

Quando criança andava em caminhos de campos verdes; andei por muitos, caminhando por esta pequena cidade onde moro. Pisar descalça na relva era sentir o quanto de vida existia a pulsar por todo lugar, e eu tinha uns dois anos de idade.

Quantas estradas andei, cheguei a caminhar da ponte do Bragueto até Sobradinho com uma tia de oito anos, minha prima de seis, meu irmão de três, eu somente dois aninhos; que sol quente, o asfalto pegava fogo debaixo dos meus pés.

Não adiantou, cresci caminhando pela serra verde, pelo morro íngreme de pedra, lugares cheios de areia e saibro, com muitas cobras, de várias espécies; com muito olho d'água.

Sempre foi esta sensação que tive cada vez que caminhava pelo meio do vale, pelas chácaras procurando maçãzinha do mato para comer, moranguinho do mato, ou resina de árvore. Algumas vezes em grupo, mas geralmente sozinha.

Fui crescendo caminhando por horas na direção do pôr do sol , a tarde era minha. Assim meu pés foram pisando a terra, fui crescendo observando a tarde, observando a vida, observando tudo e todos que estavam ao meu redor.

A terra é a imagem da minha vida, testemunha de tudo que acontece e sempre tão silenciosa, quando fala grita em meio as tempestades, cheia de raios e trovões.

Me sinto tão vazia, nunca me senti bela, dentro do estereótipo lançado pelas campanhas publicitárias impostas ao inconsciente coletivo das consumidoras. Não sou o tipo de mulher para ser consumida, nunca fui, nunca estive dentro dos padrões.

Completamente fora dos padrões do certo e do errado e completamente perdida dentro deste Planeta Terra, mas convicta do que sempre quis: não ser enquadrada, padronizada, nem exposta como um pedaço de carne prestes a ser consumida em uma churrascaria ou em um açougue.

Sempre andei sozinha. Criei meus quatro filhos e filhas sozinha. Hoje todos criados, estão partindo. Continuo sozinha, como sempre por cima das pedras, sei onde piso e a flor é minha; meu nome é o nome de uma flor que só nasce no deserto.

Continuo a caminhada, os universos são muitos, os mundos são muitos; há muito para ser explorado, estudado, aprendido e descoberto entre tantas dimensões.

Uma constante descoberta, uma busca do que existe além deste horizonte observável, que nossos olhos podem observar, mas as ondas de rádios podem ultrapassar.

Sempre que nos aproximamos do conhecimento, do descobrimento, ou da sabedoria, a impressão que temos é que tal nos escapa entre os dedos.

A alma não produz sombra por não ser um corpo material, só um corpo que possui matéria pode produzir sombra. Pode acontecer que uma alma escureça o conhecimento de outra por não ter o mesmo nível de conhecimento. Uma alma que não tem sabedoria está nas sombras ou tomada por sombras.

Sempre andei e continuo a andar sozinha por dentro dos bosques da vida, sozinha sem amigos, parentes, aderentes; mas a fonte é minha.

A fonte de vida que me mantém viva é DEUS, é JESUS, é o ESPÍRITO SANTO, Eles me dão forças para continuar.

Sempre olhei para longe, queria ver DEUS; buscava tanto, procurava tanto; deixando de viver direito o momento presente, em um desespero constante.

E o Senhor sempre esteve perto de mim. Primeiro se mostrou para mim quando eu era bem pequena em um simples amanhecer; depois foi se mostrando pra mim em coisas tão simples, que estava ali, ao meu lado, não somente passando por mim, mas fazendo morada no meu coração JESUS, no entardecer.

Sempre encontrava JESUS em meus sonhos, enquanto dormia. Quando era adolescente era extremamente infeliz e questionadora. Nos meus sonhos eu subia uma montanha enorme e começava a me questionar e a lançar perguntas a DEUS. Quando eu chegava bem no topo da montanha, lá estava JESUS sentado, com toda tranquilidade me respondia a cada um dos meus questionamentos.

Continuo andando sozinha ao longo da noite e do dia, mas minha vida é minha, sou eu quem a vive e sempre tive alguém me dizendo por onde ir; assim como um dia Ele falou comigo em meu ser interior quando eu era apenas um bebê de menos de dois anos de idade, da mesma maneira ELE ainda fala comigo.


Da mesma maneira que JESUS falava comigo sobre a montanha, quando eu era adolescente, ELE fala comigo porque habita em mim.
Postar um comentário