12/09/2014

PERDIDA

PERDIDA



Olho dentro de mim e percebo
que não quero ter sentimentos
não quero acreditar, ter esperanças
nem quero tentar viver...
Não vou mais lutar
nem ousar querer ser ou ter...
Nada me resta, não sinto, minto...
Lembrar os olhos claros, cor? Não sei...
Rugas, em alguém sete anos mais moço!
Lábios bonitos, que não sabem mais sorri...
Todo o seu rosto é poesia que brilha...
Sua pele tem cheiro e sabor do homem que é meu.
Não sei mais viver, nem como viver...
Não sei mais querer, nem como querer...
Não quero te ver, nem ouvir sua voz...
Você foi o último, te elegi meu último engano.
Esta é a minha vontade, você é a minha última vontade...
Espero, sinceramente, de coração que o meu DEUS veja isto
não permitindo a aproximação de mais ninguém.
DEUS, me perdoe, mas esta é a minha causa este é o meu direito:
eleger o último homem da minha vida
não quero mais ninguém,
não quero mais nem ele.
É fácil amar demais a quem está longe
Difícil é amar, pouco ou muito, a quem está perto
Talvez por eu não ser uma pessoa amável... 
Postar um comentário