12/07/2013

ETERNAMENTE AMADO MEU


SAUDADES

Como sinto falta de você! Tanta falta que dói dentro de mim. Não sei por onde você anda, o que está fazendo. Nada sei de você.
Como dói passar a eternidade sem você, pensei que seria pra sempre. Não sei quando esta guerra vai acabar, sei que vamos nos encontrar quando ela terminar.
É difícil sentir sua falta, em meio a uma guerra não temos tempo de sentir falta de ninguém. O tempo aqui é bem diferente do tempo aí.
Aí parece que eu parti ontem, aqui parece que foi há tanto tempo que nem me lembro do momento em que tive que vir para esta guerra, só me lembro do seu olhar.
Aqui eles amam de uma maneira diferente, precisam ser tocados.
Você pode estranhar, pois também nos tocamos, nosso ritmo é diferente, é melodia, é música. Quando nos tocamos produzimos notas musicais, nosso amor produzia uma sinfonia, orquestrada por nossos sentimentos.
Os deles são confusos, difusos, dispersos, dissonantes. Tentei ser igual a eles, amar igual a eles, não consegui. As emoções foram muito fortes, extremas, transmitem uma sensação de posse, de propriedade. Definitivamente eu não sei amar igual a eles, só sei amar você.
Fiquei afastada da música por anos, desde 2007, quando não me foi permitido voltar, porque a guerra não acabou.
Voltei pra música no ano passado, entretanto hoje me permitir ser tocada por ela, pela música... e me lembrei de você.
Postar um comentário