01/09/2009

O VERÃO DE 92 de Luís Fernando Veríssimo



Luís Fernando Veríssimo escreveu em 1978 uma crônica em forma de redação escolar, na qual exagero (ficando o texto, por, engraçado) a poluição que existiria em 1992. Felizmente, ainda não aconteceram os horrores imaginados pelo humorista. Mas por quanto tempo ainda teremos poluição tolerável.


O Verão de 92
As minhas férias, composição: 10/03/1992

Nas férias eu fui quase todos os dias à praia. Mamãe não gosta de praia desde que um parente dela foi dar um mergulho e se dissolveu na água.
Meu pai diz que é bobagem, que é só a gente prestar atenção nas bandeiras. Bandeira branca é quando o mar está cheio de detergente. Não há perigo. É só a gente não chegar muito perto da espuma superativada.
No ano passado o meu irmão menor, o Tuca, brincou muito com a espuma e está até hoje com uma estranha luminosidade.
Dentro de casa, não dá para ver bem, mas, quando a gente faz o teste da janela com o Tuca, ele brilha.
Mamãe sempre grita para a gente ter cuidado para não largar o Tuca da janela do apartamento, mas ele gosta.
Bandeira amarela é arsênico. Dizem que também não tem muito perigo, contanto que a gente não abra a boca nem os olhos embaixo da água.
Mas no último campeonato de surf que fizeram no arpoador com bandeira amarela, quando os competidores ficam de pé na prancha não tinham mais o calção e quando chegavam na praia não tinham mais a prancha.
E a parafina do cabelo ficava verde e o cabelo começava a cair. O que dava de gatão escaldado!
Bandeira vermelha é mercúrio. Também não é perigoso, mas a pessoa deve ficar em observação durante 24 horas depois de sair da água. Se as unhas começarem a encolher, deve-se chamar um médico.
Bandeira preta é óleo na água. Isto é o mais comum. É chato porque suja, mas também não tem muito perigo.
Até hoje só houve três ou quatro casos de pessoas que ficaram tomando sol depois de um mergulho no mar cheio de óleo e se incendiaram.
(Continuação no próximo post)



"Descoberta&Construção"
Tadeu Rossato Bisognin
Português 6ª série
Páginas 95/97
Ed.FTD 1994



Postar um comentário